Encol para vítimas e leigos

A Empresa

III. A EMPRESA

A ENCOL foi fundada em 27 de julho de 1961 pelo empresário capixaba Pedro Paulo de Souza, que gosta de dizer que tudo começou com o capital equivalente a um fusca.

Nascido em Alegre, no Espírito Santo, filho de um comerciante de café, estudou engenharia no Rio de Janeiro e, depois de formado, mudou-se para Goiânia, onde montou uma fábrica de tacos.

O grande salto de Pedro Paulo foi em Brasília, para onde mudou em 1969. Lá, enriqueceu com o grande negócio da época * especulação imobiliária * participando de licitações públicas, praticamente atuando como intermediário na venda de lotes, tendo como seu funcionário, Wigberto Tartuce, depois eleito deputado federal.

Quando já estava evidente a quebra da Encol, os jornais publicaram notícias de que, em 1973, a ENCOL trocou apartamentos de luxo por terrenos públicos subfaturados, que pertenciam à Sociedade Habitacional de Interesse Social, SHIS, órgão do governo do Distrito Federal encarregado de construir habitações sociais. Segundo denúncia da época, os apartamentos de luxo da ENCOL começaram a ser ocupados por amigos do então governador, Hélio Prates da Silveira, mas a Justiça acabou desfazendo a maior parte das permutas e a construtora foi proibida por algum tempo de participar de operações com a SHIS, a grande contratadora de então.

Com a inflação galopante, a Encol introduziu um sistema de autofinanciamento de seus imóveis, para evitar a intermediação bancária, arrecadando importâncias mensais que aplicava livremente no mercado financeiro.

No início da década de 90, a ENCOL consolidou-se como a maior construtora do país, tendo entregue mais de 100 mil unidades, na maioria apartamentos residenciais, mas também salas comerciais, e não havia comprador de imóveis que não apostasse na solidez da empresa.

Dada a escala obtida, a empresa passou a fabricar seus tijolos, revestimentos, pisos, e portas, formando-se, então, um grupo de empresas, todas controladas pela ENCOL S/A - ENGENHARIA, COMÉRCIO E INDUSTRIA.

Até onde se tem notícia, na data da concordata o grupo reunia as seguintes empresas:

1. ENCOL Norte Metais S/A
2. Inajá Porã Agro-industrial S/A
3. Agropecuária Para Garça S/A
4. Esquadro Montagens e Transportes Ltda.
5. Ibitirama Administração e Serviços Ltda.
6. Caparaó Agro-industrial S/A
7. Nortan Pecuária S/A
8. Colorin Industrial S/A
9. Noroeste Industrial S/A
10. ENCOLPAR Participações e Arrendamento S/A
11. Saborosa Indústria de Alimentos Ltda.
12. Convivance Adm. e Serv. de Hotelaria Ltda.
13. ENCOL Trust S/A 14. Sagarana Transportes Gerais Ltda.